Telefone: (11) 99262-7576 | Nextel ID: 82*29464
 
Arquivos por tag:

andy craddock

Fotógrafo é processado por usar igreja do século 13 para ensaio erótico

FOTOCOLAGEM_-_CRADDOCK

Um fotógrafo que usou uma igreja do século 13 como cenário para um ensaio erótico está sendo processado na Grã-Bretanha.

Andy Craddock, de 43 anos, é acusado de blasfêmia pelo padre Andrew Yates, da paróquia de St. Michael Penkivel, perto da cidade de Truro, na Cornualha.

Suas fotos mostram modelos – algumas seminuas – dentro e fora da igreja.

Craddock, no entanto, descreve as imagens como “arte” e diz que elas não são ofensivas.

“Eu entendo por que algumas pessoas podem considerá-las ofensivas e inapropriadas”, disse ele à BBC. “Mas em geral, os comentários que tenho recebido são positivos. Eu nunca quis ofender ninguém. Esse trabalho foi feito como arte e mostra a beleza das mulheres.”
Craddock comentou ainda que viu a igreja no filme Keeping Mum (sem tradução em português), de 2005, e achou que a arquitetura do lugar combinaria com o seu trabalho de fotos eróticas e fetichistas.

Sem autorização
Em um comunicado, o padre Yates disse que o fotógrafo não pediu nem obteve autorização para usar o local.

“Fiquei profundamente chocado em saber que Craddock pode considerar tomar uma atitude que iria inevitavelmente provocar grande ofensa”, afirmou o padre.

Segundo ele, as fotos magoaram “pessoas que tinham ligações com a igreja, por terem se casado aqui ou por ter entes queridos enterrados nos jardins ao redor”.
Em carta apresentada pelo advogado de Yates, o termo “blasfêmia” é descrito como a “publicação de material desdenhoso, injurioso, indecente e jocoso em relação a Deus, Jesus Cristo, a Bíblia ou os preceitos da Igreja Anglicana”.

Fonte: BBC Brasil

O que vocês acham?

Bom… eu não consegui achar as fotos dele na internet… só essa que está no post. Eu não me ofenderia se tivesse casado nessa igreja, nem se tivesse parentes enterrados ao redor. Aliás, sou maluca por locações criativas. Ele deveria pelo menos ter pedido autorização. Mas se tivesse pedido não teria conseguido… óh céus!